20/06/15

NOITE EM DÓ



A noite surge entre as estrelas e desperta feridas devolutas de paixão.
A noite limou as arestas da desilusão mas desperta os fantasmas...
os medos, prisioneiros num corpo esmaecido.
Os deuses, esses enganadores, devassam a noite e penetram
na intimidade do amor.
Levam-no para o abismo. Fica só e em silêncio. 
Em surdina, num qualquer refrão de um fado, surge, de novo, 
o amor ferido e triste.


(arte Josephine Cardin)

1 comentário:

Nuno Miguel Morais disse...

O amor tem caminhos que a própria razão desconhece. Belo poema. simplesmente adorei.

Enviar um comentário