08/05/15


DESTINO



Como um dente de leão sopram-me para longe
ausentam-me em definitivo da vida a que pertenci.
Dei tudo de mim: a pele, o toque, o beijo, o bem querer,
mas o sonho encobre sempre a desilusão que me enlaça.
Dentro de mim não há ninguém, apenas um fantasma que 
pernoita em corações negros e assombra os sentidos.
Tornei-me uma pétala caída que voou.
No horizonte avisto a solidão acenando-me com as velas
içadas esperando-me para me acolher nas memórias.




1 comentário:

Nuno Miguel Morais disse...

Belíssimo e triste. A vida não tem de ser assim. acredita!

Enviar um comentário